How I Met The End

A série da minha vida acabou e eu fiquei muito triste com o final, sabe aquelas séries que mexem com o seu psicológico e te fazem enxergar lá dentro, como se você fosse um personagem dela?
É simplesmente incrível como essa série me abalou emocionalmente, por mais que seja uma série de humor e coisa e tal, eu comecei a sentir ciscos nos meu olhos a cada episódio de “how i met your mother”.
Apenas pq em 9 temporadas, ocorre tudo o que a vida propõe de bom e de ruim tbm. Tem amor, tem casamento, separação, decepções, morte, amores, chefes fdp, ternos, high-fives, bro’s e etc…
Ted  Mosby é o cara q eu mais me identifiquei nessa série, é o cara que vive, basicamente, a procura do amor da sua vida, mas só sofre por causa disso, e acaba se aventurando em loucuras e é absolutamente a minha pessoa, um idiota espontâneo que só quer ser feliz com alguém que queira o mesmo. Ele se caiu na real assim como eu, largou essa coisa de “amor” pra lá e resolveu seguir sua vida sem ter de olhar cada pessoa e pensar que ela poderia ser o “amor da sua vida”.
Eu já desencanei dessa, ainda bem, hoje sou tranquilo enquanto a relacionamento, não me desespero a toa enquanto a isso, mas antes eu era um Ted Mosby da vida, dizendo eu te amo livremente apenas por sentir algo… mudei pra caramba, e eu vou contar como foi logo, logo.
Eu sei que a vida decepciona tanto quanto as pessoas, e estou preparado pra isso, vou chorar sim, vou espernear sim, mas eu creio que minha cabeça vai ficar no lugar como o Ted ficou. Tudo pode acontecer, mas cabe a mim permanecer firme para o que der e vier.
Finalizando, HIMYM é significante na minha vida, tudo o que eu vi nela, senti com ela, dei risada com ela, influenciará a minha vida a partir de agora. Pois a vida imita a arte, ou ao contrário também..

*Confesso que chorei sim com o final e até agora estou arrasado. e isso é o que me deixa mais puto da vida, nada que você traça na vida segue o rumo que você traçou, ela é um mar infinito de possibilidades de dar errado ou seguir um outro rumo. HIMYM é a série da minha juventude, e sempre estará guardada na minha memória.

0 notas
Adeus, meu colega…

Eric, colega de caminhada pra escola e parceiro de jogatina no play 2. meu parceiro das horas vagas e das horas ocupadas.

conheci ele em 2007, quando via ele indo pra escola junto com a mãe dele. eu estava na 6ª série e ele na 5ª. ele tinha um cabelão que as meninas sentiam inveja, e eu que só via ele de costas pensei q ele era uma menina mesmo kkk

descobri que nós dois morávamos na mesma rua e caí no riso quando descobri a verdade, mas comecei a conversar com ele e daí então íamos juntos pra a escola todos os dias com mais dois “garotos” que também moravam perto da gente.

durante um belo tempo, eu ia na casa dele pra jogar video-game e ouvir música, pelo que me lembro bem, ele que me fez descobrir algumas bandas que eu curto até hoje. até um outro colega meu que morava na esquina da rua virou amigo dele também, era eu criando amizades.

mas o destino havia de nos separar, tive que mudar de escola pra terminar o colegial em outra escola, a gente acabava se vendo quando voltava da aula, marcava um dia pra jogar, mas aí comecei a trabalhar e não tinha muito tempo pra conversar com ele

e lá vai o destino outra vez acabar com minhas alegrias, domingo agora (23/03/14), enquanto visitava meu tio na capital, meu amigo de tantos anos faleceu durante uma cirurgia, só fui descobrir no outro dia e o baque foi grande.

só tenho a dizer coisas boas dele, não guardo nenhuma mágoa ou coisa do tipo, ele foi o amigo que eu precisa naquela hora e hoje eu me arrependo de ter me distanciado tanto daquele guri. só me sobra saudades e tristeza por não ter dado um adeus pra um colega tão importante pra mim quanto ele.. saudades eric o/

0 notas
e essa baita “depressão”…

a verdade é que eu nunca me dei muito bem com os meus problemas. essa historia de deixar o passado pra trás e viver o presente não me desce. viver o presente que eu não ganhei no natal, ou no dia das crianças, ou no meu aniversário ou em qualquer data de baixa importância, não me cabe. eu não tenho presente e, na minha cabeça, muito menos um futuro.

tem sido horrível pra mim tentar disfarçar uma coisa que me deixa tão mal. ver essas pessoas “felizes” ao meu redor só me trazem dor de cabeça e desilusão que um dia eu possa ser “feliz” também, bobagem! até que ás vezes eu consigo dar uma disfarçada por algum tempo, com meus amigos ou minha família, mas quando fico sozinho, já me sinto mal e começo a elaborar coisas que vão me deixando pra baixo, e todo dia é a mesma coisa.

no final do dia, depois da aula, quando eu me sento na frente desse bendito notebook eu começo a ver o que eu poderia ter feito pro meu dia ser bom. o dia pode ter sido uma beleza, mas eu não consigo tirar certas coisas da cabeça.

não sei se é depressão, ou bipolaridade, ou falta de tapa na cara, mas eu to me destruindo cada dia mais, e não vejo a hora disso acabar por que machuca…

* é algo que dói mesmo mas a gente vai se virando pra tentar resolver esse problema, só falta algo. só falta coragem pra me livrar de vez dessa merda de dor de cabeça de final de noite…

0 notas
Casos e Acasos…

pra falar bem a verdade, eu nunca fui bom em relacionamentos.. desde criança eu já pensava em namoro/casamento/felizes para sempre. acredito que toda criança cresce pensando assim, mas ao se deparar com a vida, muda totalmente o conceito de “amor”

1999 - 2001 - meu primeiro beijo foi quando eu estava na creche ainda, com uns 4/5 anos, nem lembro mais o nome da menina. mas depois eu tive um “caso” com um doido que me beijou na creche também. nosso relacionamento só durou um milésimo de segundo mas foi o suficiente pra eu ficar vomitando pelos 10 minutos seguintes.. (minha primeira e única experiência homossexual, por enquanto, mentira é a única mesmo)

2002 - 2005 - daí pra escola eu me apaixonei por uma japonesa gata que tinha lá, nem rolou nada, por mais que eu mandava cartinha pra ela todo dia. e teve outra lá tambem, a Maria, com aqueles olhos azuis esverdeados, tx coisa mais linda e quando eu desencanei dela eu acabei por saber q ela gostava de mim u.u (me disseram e eu acabei o ano sem saber a verdade)

2006 - 2009 - na escola de ensino médio eu tive uma paixonite, “Raysa” linda pra porra, hoje continua linda. acabei por “namorar” ela por uma semana quase, até que um belo dia eu tinha encanado com uma pinta que ela tinha no bigode. até sonhei com isso e resolvi acabar com esse romance que nem tinha rolado ainda e troquei ela por outra a “Bianca” nao deu certo outra vez e eu fiquei sozinho como duas semanas atrás. (para acabar com meu “namoro” com a “Raysa” eu inventei que tinha sonhado que era pra eu ficar com a “Bianca” e não com ela, criança é foda)

*esses foram minhas apaixonites e meu namoricos, na próxima eu conto sobre meus relacionamentos mais “sérios”

0 notas
A Formatura de 2009

bom, 2009 foi um ano razoável, até a formatura…

pra começar, eu tinha um apelido meio que carinhoso dos meus amigos. William-Gay era moda entre meus colegas de sala. até que um colega meu, o “Felipe”, que pegava menina demais na escola. mas digamos que ele curtia o outro lado também. e do nada, dois dias antes da festa de formatura ele me liga e diz que gostava de mim e não sei oq.. what the fuck? eu era parceiro dele na escola e tals. mas eu nunca pensei que um dia ia acontecer algo parecido. daí o apelido dele entre meus amigos surgiu, “Bilipe”.

não sei se ele ficou confuso sobre o meu apelido na escola ou foi outra coisa (que fique claro que eu não sou gay, muito menos homofóbico). mas acabou ficando meio estranho pra gente se encontrar na formatura. e lá vai eu subir no palco pra pegar meu diploma e o pessoal faz coro me chamando de William-Gay com minha família toda lá.. imagina a vergonha do meu pai…

depois teve a festa, eu ainda corria atrás daquela menina e ficava na esperança de tentar impressionar ela de algum modo. eu dançando (tentando) Michael Jackson na festa pois sabia que ela gostava e a o “Bilipe” lá de olho, será que ele não percebia que eu tava correndo atrás dela durante o ano inteiro??? bom, não deu muito certo de ficar com ela lá e eu fiquei com aquele gostinho insuportável de quase na boca..

teve tbm o amigo secreto que teve estávamos marcando pra festa. tirei meu parça e dei uma camisa do Corinthians para ele já que ele era santista kkk e acabei ficando sem presente. a maioria do pessoal acabou não indo pra festa e eu fiquei sem saber até hoje quem foi o fdp que me tirou e não me deu o meu presente…

*tem mais fatos curiosos nesse mesmo dia, vou fazer uma segunda parte dessa ocasião…

0 notas
Novas Amizades

dá pra ver que a minha adolescência não seria uma das melhores, principalmente depois do que aconteceu no ano de 2004/05. mas espere pra ver o que vem agora…

5ª e 6ª série - 2006/07 - cheguei noutra escola sem conhecer ninguém de lá, só um colega (chato pra caralho) que eu conheci na outra escola, ainda bem que ele saiu no meio do ano o/
aliás, foi nessa escola que eu fundei minhas maiores amizades da vida, mas há duas partes dessa história. uma é do quarteto fantástico que eu tinha naquele tempo. o coisa - um cara grandalhão, forte e meio ogrão; o tocha humana - o mais descoladinho da turma, filho da professora de português e baixinho; a mulher invisível - gótica, que depois virou evangélica e hoje eu nem sei mais kkk; e o senhor fantástico - no caso, eu. sem falar no surfista prateado, o único com quem eu mantenho a amizade hoje em dia.
não, eu não tinha um caso com a mulher invisível, na verdade ela quase teve um caso com os outros dois, mais isso é história pra depois. nós éramos meio que fechados, o grupo mais alone possível. sinto falta desses caras. a gente se separou e foi cada um pra um lado. mas hoje eu tenho amigos que cobrem qualquer falta deles. eu tive dois “casos” nessa época mais depois eu destaco cada um deles melhor.

7ª série - 2008 - depois de perder um irmão, minha mãe consegue engravidar outra vez. Rafaelly, em homenagem ao Rafael, ajudou bastante minha família a se recuperar do choque, no começo foi tenso, mas conseguimos superar.

8ª série - 2009 - era o ano que eu queria me apaixonar, não sei porque. primeiro dia de aula e eu já tinha em mente que eu queria isso (idiota!). e não é q aconteceu mesmo, chegava na sala a menina mais linda que eu vi (até aquele momento). foi amor á primeira vista. o ano inteiro tentando conquistar essa menina. foi foda. e no final eu consegui. mas me custou o quarteto fantástico. eu acabei me juntando ao grupo dela só pra tentar conquistar ela. graças a ela, eu conheci o Alisson, meu camarade até hoje, meu capanga. mas mesmo assim foi duro saber que eu perdi três amizades de anos. foi no fim desse ano que eu tive meu coração partido (outra vez), descobri a traição do meu pai; isso me chocou demais. acabei desistindo da menina na hora mas o tempo resolveu colocar a gente junto no final.

*hoje eu sei o quanto eu perdi nesse ano, essas amizades eram boas pra mim. mas, tambem, eu vejo que o que você escolhe para si, tem um custo, e eu não tinha noção disso. as amizades que eu tenho hoje eu devo simplesmente a essa garota, não a recordo muito bem mas graças a ela eu acabei crescendo um pouco, me preparando para o que vinha depois..

0 notas
Da Escola para o Inferno

o meu tempo de escola fundamental não foi um dos melhores não, mas eu tenho muito o que recordar. principalmente pelas coisas que eu aprendi e perdi.

- 1º ano (2002) foi aquela coisa, acostumado com a creche, tive que aprender a conviver com a lousa e foi um baita de um saco. como eu nao tinha amigos, tive que viver meio isolado por uns tempos. minha mãe, que trabalhava durante a manhã e tarde, resolveu me deixar com uma pessoa da familia que morava perto da gente (até hoje eu não faço a minima ideia do que ela é minha). eu gostava de ficar lá, mas tinha o pai dela (nao me lembro bem se era pai) que me odiava. eu não era arteiro mas ele teimava que eu era, falava oi pra ele e ele resmungava, ficava bravo comigo á toa. e eu sem saber porque. ele era doente e hoje ele já é falecido. pobre seu Dito. ano de copa, lá no japão e eu lá acordado até altas horas pra assistir os jogos. tinha até bandeira em casa.

- 2º ano (2003) daquele jeito maroto , eu tava começando a criar meu circo de amizades. e continuava com a minha “tia”, digamos assim kkk amava a rede que tinha no quintal, se bem q os cachorros mordiam minha bunda. lembro que a minha professora do primeiro ano tinha tido um derrame, e eu tinha tanto carinho por ela que até fui na casa dela e tals. hoje em dia ela tá bem, vi ela na escola esses dias quando levava minha irmã. viramos evangélicos a partir desse ano, frequentávamos uma igreja quadrangular perto de casa e eramos bastante fiéis.

- 3º ano (2004) única coisa que eu lembro e que eu tive que mudar de babá, isso no meio de 2003, parece que a minha “tia” não podia mais cuidar de mim por que tinha nascido um neto dela. daí eu fui morar com uma amiga que minha mãe conheceu e que morava de frente pra escola, coincidentemente o pai dela trabalhava na escola de secretário. nessa época eu gostava de uma menina, e quando criança, tinha aquele sonho de amor verdadeiro, quando bate o coração mais forte e todas essas lengas lengas amorosas. foi aí que eu tive minha primeira “desilusão” amorosa. a menina era cabeça já, sabia que não era hora pra nada e o bobão aqui acabou ficando mal. no meio do ano, saímos da quadrangular e se juntamos á uma assembleia de deus. minha mãe engravidou nesse ano, era a meu irmãozinho que eu tanto queria.

- 4º ano (2005) foi aí que minha vida virou de cabeça pra baixo. frequentando a igreja nova, eu tive que ficar com uma senhora que ia nessa igreja e larguei a outra babá. mais uma paixonite na escola e eu “sofrendo” de novo. ó Maria, pq seus olhos eram tão azuis?? linda demais. conheci um amigo que até hoje guardo ele na minha cabeça. chamava ‘Jonas’, ele tinha uma pequena disfunção cerebral e eu era o maior companheiro dele na escola. tx. hoje, com a mudança de escola, nunca mais tive contato com ele. o Rafael nasceu e ficava numa creche do lado onde ela trabalhava. nessa época eu já tinha abandonado a babá e ficava em casa depois da escola. enquanto esperava ela voltar da escola pra mostrar um jogo que eu tinha ganhado na escola sobre a dengue e tals. fiquei angustiado com a demora, e foi aí que tudo começou a piorar… meu irmão tinha engasgado na escola e ninguém tinha percebido. 

*meu mundo desabou, minha mãe entrou em depressão e eu também. deixamos a igreja de lado e eu comecei a questionar a existencia de um deus grandioso. acabei caindo sobre mim mesmo e minha vida ficou sem razões de continuar… mas nós demos a volta por cima e hoje está tudo bem sim…

0 notas
Momento de reflexão #0001

nessa idade que eu tinha antes de partir para o ensino fundamental, eu tinha um sonho: ser igualzinho ao meu pai. batalhador, trabalhador e até motorista de ônibus. hoje, ah, hoje, meu eu criança teria vergonha de mim.

não sou nada do que queria naquela idade. sou um nada. trabalho por trabalhar, minha carta de motorista nao tá nem pronta pra eu pegar, e minha cabeça tá destruída.

desculpa por estar comentando isso aqui, é q hoje eu não estou bem mesmo. as coisas que eu fiz, as coisas que eu perdi, as coisas que aconteceram, apesar de me darem experiência, infelizmente também me deram experiência. boas e más experiências.

percebi que a vida não é nada daquilo que você imagina com 3 ou 4 anos. a experiência me fez ver o quanto a vida é uma merda, mas mesmo assim, eu nao vou desistir de continuar fazendo as merdas que eu fiz. sem arrependimento nenhum, mas ás vezes cansa tentar viver.

*não vou me suicidar vlw flw kkk

0 notas
Época Berçário/creche

lá vamos nós novamente.

meus pais tinham o sonho da casa própria e depois que extinguiram a colônia por volta de 2000, resolveram realizar esse sonho; construíram uma casinha num canto meio que, na época, era afastado da cidade. e eu lá, carregando terra no meu tratorzinho de brinquedo enquanto os pedreiros faziam a obra (meu trator acabou todo sujo e cheio de tinta no final da construção).

ah, lembro da cena de um tio meu (não lembro quem) depois de construir o muro de trás da casa, foi demonstrar o feito e acabou derrubando o muro inteiro kkk

meu pai ainda trabalhava de motorista naquela empresa e viajava pra caramba, e por costume, dormia toda noite na cama da minha mãe (crianças…). minha mãe resolveu trabalhar também, pra ajudar na renda de casa, e me colocou numa creche perto de casa, chamava “Arco iris encantado” acho.

e naquela creche eu encontrei o amor da minha vida. mentira, foi só uma garotinha que eu, inocentemente, gostava. sabe aquelas coisas que as mães falam de amor e essas babozeiras chatas? então, não sei bem ao certo se a gente conversava ou não, só lembro que eu beijei ela em baixo de uma mesa que tinha na creche. (sim, esse foi meu primeiro beijo e, não, eu não lembro sequer o nome da menina, só sei q ela era linda)

lembro também,que uma das ”tias” da escola, colocava funk pra gente escutar. poisé. era proibido naquela época. “dói um tapinha não dói, um tapinha não dói”, e eu inocentemente lá dançando feito um tonto. que dó de mim, vontade de bater nessa “tia”, óia as coisas q ela ensinava…

em 2002 eu pulei o ultimo ano do ensino infantil e caí direto na primeira série na “Antônio Serralvo Sobrinho”, sem o mínimo de noção de como era a tal primeira série. no primeiro dia eu dormi na sala por falta da soneca que tinha na creche e já comecei a odiar a escola por ter q acordar tão cedo.

* como eu era pequeno eu não lembro de quase nada, conforme eu lembre eu coloco aqui, mas de boa. sepá eu coloco os acontecimentos do serralvão essa semana. bjo na ropa..

0 notas
Começa aqui!

nasci de parto cesárea aqui mesmo em Bauru na Maternidade Santa Isabel. meus pais, casados há 2 anos mais ou menos, não viam a hora do seu filhote nascer (pra que fazer isso? só dei trabalho kk)

fui direto pra uma cidadezinha chamada Espírito Santo do Turvo onde minha vó morava e ela podia cuidar de mim enquanto meu pai trabalha numa usina e minha mãe ajudava como ajudante de casa, algo assim.

mal fiquei lá e voltei pra bauru. meu pai tinha arranjado um emprego de motorista interurbano numa empresa grande, e fomos morar numa espécie de colônia da tal empresa. foi lá que eu conheci aquela garota da banda sinfônica (vamos chamar ela de ‘Bianca’) que contei da ultima vez.

meu pai viajava direto e quase não parava em casa, e minha mãe me deixava na escola para poder trabalhar. logo depois da escola eu ficava na casa de uma senhora que morava ali perto, adorava brincar na casa dela, pena que o marido dela não gostava muito de mim não, parecia q tinha medo de criança, mas nada de importante.

lembro pouca coisa de lá, mas minha mãe me dizia que eu brincava todo dia com a ‘Bianca’ e uma vez ela me tacou uma pedra no olho que deve ter doído demais pois até hoje tenho uma marquinha embaixo do olho. e aquele pé de amora, ah aquele pé de amora, dias e dias comendo amora até dar dor de barriga kkkkk

*lembranças ditas por minha mãe e meus pais o resto eu não lembro. caso lembre, vou colocando elas aqui.. ;)

0 notas
Vida de merda a minha, não?!

hoje conheci uma garota que eu brincava quando criança. e como ficou linda ela, meu pai amado, que linda e como a vida dela é foda!

faz curso de enfermagem e trabalha de enfermeira á noite, é só um estágio por enquanto mas.. muito massa. e toca clarinete em três bandas sinfônicas, coisa que eu acho muito foda, trabalhar com música sempre foi um sonho meu, mesmo quando eu costumava ir a igreja (já já eu conto mais sobre isso) e me senti apaixonado por cada instrumento novo que aparecia por lá.

enquanto ela faz tudo isso, to eu aqui trabalhando num supermercado explorador e tentando estudar num curso técnico de marketing.

dá tristeza sim, mas dizem que pessoas assim são um ótimo apoio ou espelho para tu criar uma vida mais empolgante, vai que eles estão certos?

*tá, eu confesso q senti algo depois q vi ela, mas só o tempo vai dizer se rola alguma coisa ou não…e já adianto que não vai rolar…

0 notas
Oi, eu sou o William, prazer ou não, depende.

sou um garotinho de 18 anos ainda e tenho uma vida engraçada e desgraçada ao mesmo tempo. tá ai o pq de eu querer fazer um blog/tumblr pra contar essas desgraças.

acontece q eu nao tenho o q fazer e resolvi fazer algo pra passar o tempo. vou te contar cada pedacinho (que eu lembro) da minha vida e montar a timeline da minha vida. fique tranquilo q eu nao vou usar nomes reais, só parecidos pra eu poder memorizar (ou processos vão chover contra mim)

aposto q tu nem vai ler, mas é bom guardar algumas coisas escritas, vai que algum dia… 

sou um pouco doido, as vezes cético, faço coisas por impulso e sempre dá em merda, mas o bom é isso, vivendo e aprendendo.

logo eu começo a contar as lembranças do meu primeiro grau/ensino fundamental e todas as palhaçadas que eu guardo até hoje.

0 notas
Voltei, PORRA!

e cá estou eu com esse projeto de vida que não tem dado certo, então resolvi escrever pedacinhos da minha vida (não sei pra que) e talvez criar um pequeno projeto daqui algum tempo, quem sabe?

pessoas, acontecimentos, momentos fúteis e embaraçosos vou colocar aqui só de zua. espero que ninguém leia pra eu não ser zoado na rua. mentira, pode me zoar, eu aceito.

acho que nessa semana mesmo eu já começo, depende do tempo que eu tiver… ah esperae, já já eu começo.. flws

0 notas